Intercâmbio de Tamboril: Políticas e Ações Voltadas Para a Proteção da Criança

É com grande entusiasmo e admiração pelo trabalho que vem sendo realizado na Escola Municipal Julieta Alves Timbó, no município de Tamboril/CE, que socializo com todas e todos o relato da visita que realizamos a esta tão bela experiência de educação contextualizada voltada para a proteção e desenvolvimento das crianças, no dia 07 de junho de 2019.

O intercâmbio a esta experiência exitosa ocorreu dentro da programação da XV Feira da Agricultura Familiar e Economia Popular Solidária de Crateús e Inhamuns, que foi realizada nos dia 06 e 07 de junho, na Praça Gentil Cardoso (Praça dos Pirulitos) em Crateús/CE.

Como a feira é realizada na cidade de Crateús, alguns dos intercâmbios são realizados a cidades do entorno, a exemplo do que visitamos, após percorrermos alguns quilômetros de rodovia, fomos recebidos na Escola Municipal Julieta Alves com um belo banquete, para reavivar as energias.

A fim de nos demonstrar, o que vinha sendo realizado nos últimos meses na escola, o intercâmbio ocorreu em meio a um evento que foi organizado, no intuito de mostrar para comunidade o que as crianças vinham fazendo dentro das atividades do projeto de Educação Contextualizada, que a cada semestre trabalha uma temática diferente, a que presenciamos tinha como escopo, a promoção da Cultura de Paz.

Assim, iniciamos o intercâmbio contemplando os trabalhos que as crianças tinham produzido de acordo a temática acima. Os resultados foram apresentados em dois momentos, o primeiro de forma dinâmica, onde as crianças usaram da criatividade e produziram uma edição de jornal televisivo, regado a muitas encenações, brincadeiras, leituras, abraços e, sobretudo dedicação. Já o segundo, foi por meio de uma exposição nas salas de aulas, onde constavam os materiais desenvolvidos pelas crianças, como desenhos, pinturas, brinquedos, jogos interativos, dentre outros.

Sobre o projeto que proporciona estas atividades, o mesmo tem como premissa intervir nos espaços pedagógicos da escola, por meio da capacitação dos e das professoras e funcionários, para atuarem junto às crianças no cotidiano escolar em diversas temáticas que contribua incisivamente no desenvolvimento delas, como também na formação e proteção.

Finalizada as apresentações e a exposição, seguimos para outro momento crucial do intercâmbio, a Roda de Conversa com o corpo docente da escola, núcleo gestor e representantes das organizações que proporcionam e acompanham esta tão bela experiência de educação contextualizada.

A discussão neste espaço se deu a partir de uma explanação geral sobre o projeto e as organizações parceiras, e de como se dá o processo de manutenção, formação e culminância dos resultados. O primeiro aspecto destacado foi sobre o projeto de lei, que instituiu que nas escolas da Rede Municipal de Tamboril a Educação Contextualizada, no ano de “2007 surgiu à ideia com a Cáritas Diocesana de Crateús e iniciamos a experiência em escolas no campo. Em 2014 em uma audiência pública na Câmara de Vereadores, foi criado um projeto de lei, que foi sancionada pelo prefeito de Tamboril, assim dando outra dimensão ao que já vinha sendo feito, agora as escolas da zona urbana podia desfrutar de tal modelo de educação”.

A instituição responsável por fazer a manutenção dos projetos é a SAD – Solidariedade à Distância, uma organização europeia que capta recursos na Europa e os investe na América Latina, dentre outros países carentes. No caso da Escola Julieta Alves, o acompanhamento é realizado pela Cáritas Diocesana de Crateús, Pastoral do Menor, Esplar e We Word.

Indagadas sobre quem definia as temáticas a serem trabalhadas em sala? Lidiane, da Pastoral do Menor, respondeu que a equipe responsável pelo projeto pensam as temáticas e posteriormente, as apresentam as educadoras, por meio das formações que são realizadas a cada inicio de semestre. Questionadas sobre o maior desafio, se era trabalhar com as crianças ou lidar com os pais e a comunidade? Elas responderam, “com os pais, pois poucos interagem com a dinâmica de ensino da escola, mesmo tendo todo um esforço das educadoras e educadores de irem às casas destas famílias, explicar e falar sobre os objetivos do projeto, ainda assim poucos participam”.

Foi possível perceber isso nas apresentações que presenciamos, apesar de ter várias crianças, as pessoas que estavam acompanhando eram poucas, se limitando majoritariamente as mães.

É importante perceber que o projeto segue um roteiro, que começa na definição das temáticas, passando pela formação dos e das educadoras que irão fomentar os estudos em sala de aula, apresentação aos pais dos trabalhos que serão realizados junto as crianças de acordo com o tema escolhido e, por fim, a culminância que é o espaço onde as crianças apresentam tudo o que conseguiram fazer.

Ou seja, nosso intercâmbio teve a oportunidade de presenciar a culminância e o fechamento dos estudos e trabalhados voltados para a promoção de uma Cultura de Paz. Enfim, foi maravilhoso o espaço, sobretudo, no que diz respeito ao protagonismo demonstrado pelas crianças.

 

Atenciosamente,

Ytalo Lima, Rede de Juventudes do Ceará

Fotos: Monaiane Sá