CÁRITAS FAZ ACOMPANHANDO REMOTO A GRUPOS DE MULHERES DURANTE A PANDEMIA

Reunião virtual entre a agente Cáritas Mirna Sousa e o grupo “Mulheres Aprendizes”, da comunidade Riacho, Quiterianópolis

Por Mirna Sousa, agente cáritas.

Pensando em ser presença junto às mulheres acompanhadas na região dos Inhamuns através do Projeto Paulo Freire, A Cáritas Diocesana de Crateús está realizando encontros virtuais com todos os grupos de mulheres. Têm sido momentos de aprendizagens, de adaptação à nova realidade, além de serem espaços de reencontros, de matar um pouco da saudade dos sorrisos e dos aconchegos das vozes e dos olhares, e de muita partilha.

Tem sido dialogado sobre como tem sido o cotidiano delas e da comunidade nesse tempo de pandemia, refletimos sobre a divisão justa do trabalho doméstico, levando em consideração que toda família encontra-se em casa. Estamos partilhando quais medidas de proteção têm sido adotadas, como tem sido o desafio de ajudar os/as filhos/as no processo educacional, já que muitos estão estudando virtualmente e em casa, se tem acontecido algum caso de violência contra as mulheres, etc. 

Mesmo com desafios de conexão e a dificuldade de algumas mulheres com relação ao manuseio da ferramenta eletrônica, tem havido uma significativa participação. Nessas rodas de conversa virtual, chamou atenção a fala da Maria José Rodrigues Barra “Mazé”, uma das referências do grupo de mulheres “As Violetas” da comunidade de Riacho Fundo em Tauá. “Nunca na minha vida imaginei participar de uma reunião pelo celular, tô me sentindo importante com isso”, confessou.

Reunião virtual entre a agente Cáritas Mirna Sousa e o grupo Nossa Senhora de Fátima, comunidade Boa Água, Aiuaba.

Já para Antonia Christianny Gomes, que faz parte do grupo de mulheres “A união faz a força”, da comunidade de Cruz em Quiterianópolis, o encontro foi bastante proveitoso. “Foi um momento para e gente expor nossas ideias, estar interagindo umas com as outras. Foi, assim, gratificante”, agradeceu.

Em cada fala percebemos a importância desses encontros, pois nos oportuniza um acompanhamento mais próximo, embora distante fisicamente. Nessas cirandas virtuais é possível saber como se sentem (espiritualmente e economicamente), partilhar com elas informações sobre os cuidados necessários que devem adotar, dar dicas de divulgação e comercialização dos seus produtos virtualmente, e fortalecer os laços de solidariedade e companheirismo num momento tão sensível para todas e todos nós.