RETOMADA DAS VISITAS DOMICILIARES NAS COMUNIDADES PESQUEIRAS

Fatima Veras, tecnica de campo do Projeto e Seu Antônio Pedro de Moraes, pescador artesanal da comunidade Piçarreira, Nova Russas

Ontem, 13,  teve a retomada do acompanhamento presencial das famílias pesqueiras beneficiárias do Projeto Pescadoras e Pescadores Artesanais, construindo o Bem Viver nos Sertões de Crateús e Inhamuns, realizado pela Cáritas Diocesana de Crateús em parceria com CISV (Comunita, Impegno, Servizio, Volontariato) e o CPP (Conselho Pastoral dos Pescadores) e co-financiado pela União Europeia. A primeira visita domiciliar do ano de 2021, aconteceu na comunidade Piçarreira, na zona rural do município de Nova Russas. A técnica de campo, Fatima Veras, conseguiu visitar 7 famílias, alcançando no total 20 pessoas beneficiárias. 

Todas as orientações dos cuidados necessários que esse período de pandemia exige foram respeitadas. O objetivo das visitas era partilhar os desafios e os impactos da Covid-19 na pesca artesanal, mais especificamente nos pescadores e pescadoras artesanais que moram e trabalham no território Sertanejo. Segundo as pescadoras e os pescadores, o aspecto do isolamento social está afetando a categoria de maneira muito particular. A ausência da sociabilidade, tão característica do cotidiano e do trabalho, faz com que sentimentos como tristeza e solidão sejam maximizados, pois no mundo da pesca artesanal os momentos de vida quotidiana e de trabalho se entrelaçam.

Além do isolamento social, estão lidando também com a dificuldade de adquirir o material de pesca, já  que nestes meses de pandemia aqueles itens que são precisos para exercer a atividade, entre os quais galão, linhas, canoas sofreram um elevado aumento de preço. 

REALIDADE DAS MULHERES

O confinamento afetou também a realidade quotidiana das mulheres, que lutam para serem reconhecidas como pescadoras tanto no âmbito dos direitos, como no âmbito social. O isolamento social para as pescadoras foi muito impactante, pois sem a pesca e com os filhos e as filhas em casa, o lar tornou-se o centro das atenções delas. A sociabilidade e o trabalho delas foram reprimidos e elas estão ainda mais imersas em situação de vulnerabilidade psicológica e econômica, já que nestes meses desafiadores não conseguiram comercializar o pescado como de costume.

Fica claro que estes meses de pandemia não foram fáceis, porém, a categoria está unida, procurando um caminho para reinventar sua realidade de trabalhadores e trabalhadoras. Com o fim do auxílio emergencial, do Governo Federal, o desafio posto é encontrar estratégias para continuar a mobilização social e pressionar o poder público a garantir políticas públicas, na perspectiva da garantia do Bem Viver nessas comunidades.

Por Angelica Tomassini, comunicadora popular da Cáritas Diocesana de Crateús