A CÁRITAS DIOCESANA DE CRATEÚS TEM NOVA DIRETORIA PARA O BIÊNIO 2020- 2022

por Angelica Tomassini, comunicadora popular da Cáritas Diocesana de Crateús

A Cáritas Diocesana de Crateús, realizou na sexta feira 09 de outubro, a sua assembleia anual para revisar as atividades realizadas, prestar contas das finanças de cada projeto, e para as eleições da nova Diretoria para o biênio 2020-2022. A reunião aconteceu de maneira remota, respeitando as orientações da Organização Mundial da Saúde, e teve a presença das/os agentes Cáritas, pastorais e paróquias da Diocese de Crateús, representante da Cáritas Brasileira Regional Ceará, parceiros, e representantes das comunidades beneficiadas. 

Francisco Helton Rodrigues Melo, pároco da Paróquia Senhor do Bonfim de Crateús, e tesoureiro na diretoria passada, assume a presidência da Cáritas Diocesana de Crateús. “É uma alegria ter Padre Helton como presidente pela segunda vez e esperamos que seja um mandado repleto de novos projetos, formações e diálogo entre as várias entidades da instituição”, observou ir. Francisca Erbenia Sousa, coordenadora geral da Cáritas. 

A nova diretoria ficou assim constituída: 

Diretoria da Cáritas Diocesana de Crateús:

Francisco Helton Rodrigues Melo – Presidente 

Jonas da Luz dos Santos – Vice – Presidente 

Rosane Maria Torres Cardoso – Tesoureira 

Maria Eulalia da Silva Paulo – Secretaria 

Conselho Fiscal- Titulares

1ª Francisca Estevânia Ferreira

2ª Maria do Socorro Mota

3ª Antonio José da Luz Santos

Conselho Fiscal- Suplentes

1ª Francisco Thallys Rodrigues

2ª Jose Humberto Gomes

3ª Ribamar do Nascimento

A Coordenação da Colegiada, fica inalterada e assim composta: 

Francisca Erbenia de Sousa – Coordenadora da Cáritas Diocesana de Crateús

Antônio Adriano da Silva leitão – Coordenador do projeto “Pescadoras e Pescadores, Construindo o Bem Viver nos territórios de Crateús e Inhamuns” 

Keila Delly Marinhero Veríssimo – Coordenadora do projeto “Projeto Paulo Freire (PPF)” 

Dulce Fabian Ludovina – Coordenadora do projeto “Tecendo Redes de Solidariedade”

Paulo Cesar Andrade Oliveira – Coordenador do projeto “Projeto Contexto Educação, Gênero, Emancipação”.

PESCADORAS E PESCADORES DE TAMBORIL RECEBEM TERRENO PARA A CONSTRUÇÃO DA NOVA SEDE DA ASSOCIAÇÃO

por Angelica Tomassini, comunicadora popular da Cáritas Diocesana de Crateús

Ontem, 7, foi um dia de grande conquista pela Associação de Pescadoras e Pescadores do município de Tamboril, acompanhada pelo projeto Pescadoras e Pescadores Artesanais: Construindo o Bem Viver nos Sertões dos Inhamuns e Crateús. O Pároco da Paróquia de Santo Anastácio, Padre Anderson Lima, oficializou a doação de um terreno para a Associação de Pescadoras e Pescadores de Tamboril. A área será destinada para a construção da nova sede da Associação e ajudará o desenvolvimento econômico e social da categoria de pescadores que poderão se organizar para discutir e realizar atividades relacionadas à pesca.

“Essa conquista é o resultado de uma mesa de negociação, realizada o dia 18 de setembro 2019 com a prefeitura, que primeiramente se comprometeu, porém não agiu. E mais tarde, com a apresentação da proposta ao padre Anderson Lima, que abraçou a nossa demanda trazendo-a até o Conselho Econômico da Diocese e que aprovou a doação do terreno”, esclareceu Francisco Rodrigues, pescador e Presidente da Associação das Pescadoras e dos Pescadores de Tamboril.

“Esperamos que esse espaço possa favorecer o encontro entres pescadoras e pescadores, para que sigam na luta aos direitos delas e deles, promovendo ainda mais a valorização dessa categoria no nosso município” afirmou padre Anderson Lima e que acrescenta também “que esse espaço não abrigue só sombra, mas também que acolha e defenda os sonhos e as esperanças da nossa comunidade pesqueira”.

A Associação das Pescadoras e dos Pescadores de Tamboril conta com 50 sócias e sócias, e a nova sede está localizada no Bairro Novo em Tamboril. O Projeto é uma realização da Cáritas Diocesana de Crateús em parceria com a CISV e o Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP), e financiado pela União Europeia.

PROJETO DE PESCADORAS E PESCADORES É BENEFICIADO COM AVALIAÇÃO EXTERNA

A equipe do projeto Pescadoras e Pescadores Artesanais: Construindo o Bem Viver nos Sertões dos Inhamuns e Crateús começou nesta segunda feira, 28, o processo do Monitoramento Orientado para Resultados, ou ROM (Results Oriented Monitoring em inglês), com o avaliador externo Vincent Brackelaire, escolhido pela União Europeia, co-financiadora deste projeto, que é realizado pela Cáritas Diocesana de Crateús, em parceria com a CISV e o Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP). Todas as reuniões estão sendo realizadas virtualmente, por conta da pandemia do Covid-19.

O objetivo do monitoramento é investigar qual a eficiência do projeto, sobretudo do ponto de vista da satisfação das e dos 832 pescadoras e pescadores atendidas e atendidos em 12 municípios, e observar se as comunidades envolvidas poderão continuar as ações de formação política, de mobilizações em luta por direitos e mais qualidade de vida mesmo após o fim do projeto. Assim, tendo em conta este é o último ano de implementação, uma das tarefas da ROM é definir estratégias que possa permitir a sustentabilidade das ações realizadas nestes quatro anos, levando em consideração que estamos no ultimo ano da implementação do projeto.

Nos próximos dias, Vincent conversará com representantes das diversas organizações e os associados e associadas que constroem o projeto, como as unidades de gestão da ação, agentes Cáritas, membros do CPP, da CISV, dos representantes de grupos, associações e colônias de pescadoras/es. Ao fim do processo, ele e Maria Cristina Araújo, que é gestora de projetos da União Europeia, darão aos atores e às atrizes do projeto recomendações e orientações que julgarem pertinentes para um encerramento de um ciclo de quatro anos com o máximo de frutos para as comunidades tradicionais de pescadoras/es beneficiadas.

PROJETO ESTÁ APERFEIÇOANDO ESTRUTURA DE PESQUISA E EXTENSÃO DA EFA DOM FRAGOSO

Processo de instalação do sistema de irrigação para pesquisa com palma forrageira irrigada

Várias obras estruturantes estão sendo realizados na área da Escola Família Agrícola Dom Fragoso (EFA), para dar suporte adequado à pesquisa que consolida este espaço como um laboratório de excelência quando o assunto é convivência com o Semiárido. Esta é uma ação do Projeto Brasil e Trentino: Novas oportunidades de co-desenvolvimento 2019-2021, realizado conjuntamente pela Cáritas Diocesana de Crateús, We World, Rede de Associações Brasileiras e Trentinas, Universidade Federal do Ceará, Universidade de Bologna (Itália), Fondazione E. Mach, e a própria EFA, com financiamento da Província de Trento.

Na imagem vemos a fase final da construção da casa de bombas à esquerda e à direito do tanque para criação de peixes, cuja água proveniente da criação será reutilizada na pesquisa com a palma forrageira irrigada

O objetivo do projeto é melhorar a inclusão social e o desenvolvimento da agricultura familiar por meio de modelos de economia popular solidária. Para tal, estão sendo desenvolvidas pesquisas na área de produção irrigada de palma forrageira, que perpassa pelo reaproveitamento de água e aperfeiçoamento do manejo dos roçados, em diálogo permanente entre os saberes científico e popular, que deixará um grande legado para a educação contextualizada para convivência com o Semiárido na região, não só do ponto de vista da infraestrutura, mas principalmente do conhecimento, uma vez que comunidade, educandas/os e educadoras/es participam de todo o processo.

Adaptação do laboratório de ciências agrárias da EFA Dom Fragoso para receber novos equipamentos, que darão suporte às pesquisas e atividades pedagógicas

Desse modo, a aprendizagem da EFA que já é uma referência nacional por adotar a pedagogia da alternância e ter em integralmente em seu modo de ser a Educação Contextualizada para convivência com o Semiárido, tende a dar um salto maior de qualidade, uma vez que tanto educadoras/es quanto educandos poderão participar de uma pesquisa com alto rigor científico.

FIOCRUZ PESQUISA CONDIÇÃO DE VIDA E SAÚDE DE PESCADORAS E PESCADORES ARTESANAIS

A Fiocruz Ceará iniciou nesta segunda feira, 21, mais uma etapa da pesquisa de produção de indicadores das condições de vida e saúde de pescadoras/es artesanais e agricultoras/es familiares do município de Novo Oriente. O diagnóstico gerará informações sobre os problemas de saúde que estão relacionados ao trabalho e ao ambiente, e também vão subsidiar o planejamento para incidência em políticas públicas de saúde para essas populações.

Participantes da pesquisa realizarão exames físicos para mapear possíveis adoecimentos e quais são as necessidades de saúde e cuidados que vão desde atendimentos, medicamentos a programas específicos. A ação está sendo apoiada pela Colônia Z – 58 de Novo Oriente, o Conselho Pastoral dos Pescadores e a Caritas Diocesana de Crateús, através do projeto Pescadoras e Pescadores Artesanais Construindo Bem Viver, que é co-financiado pela União Europeia e também tem apoio da CISV.

As organizações estão colaborando com o processo de articulação de participantes, para que essa etapa da pesquisa aconteça de forma segura e com os cuidados necessários que esse período de pandemia exige.