REDE SOLIDÁRIA DA CÁRITAS FOI FUNDAMENTAL PARA A DISTRIBUIÇÃO DE 1.250 CESTAS BÁSICAS EM TRÊS DIAS

A Cáritas Diocesana de Crateús (CDC) realizou uma mega ação de solidariedade no último fim de semana. Aproveitando a celebração do Dia do Trabalhador e da Trabalhadora, através de uma rede de proteção à vida formada por paróquias, voluntárias/os, sindicatos, associações, prefeituras e a fundamental parceria com a Fundação Banco do Brasil, através da qual foi possível distribuir 1.250 cestas básicas para nove municípios, sendo eles Crateús, Nova Russas, Tamboril, Independência, Ipaporanga, Parambu, Quiterianópolis, Tauá e Novo Oriente. O trabalho desenvolvido há 15 anos em comunidades do campo e da cidade na Diocese de Crateús e para além deste território, porém, foi fundamental para: Identificar as pessoas que se encontram em condição de vulnerabilidade social; distribuir rápida e eficientemente as doações (mesmo com equipe de agentes reduzida); continuar acompanhando essas pessoas beneficiadas; e diagnosticar situações que precisam de urgente intervenção;

Atualmente, a Cáritas desenvolve, entre outros projetos, o “Pescadoras e Pescadores Artesanais Construindo Bem Viver”, em parceria com a CISV e o CPP, com co-financiamento da União Europeia; O projeto Contexto: Gênero, Educação e Emancipação, realizado em parceria com a We World, Esplar, Instituto Maria da Penha, ACACE, EFA Dom Fragoso e Pastoral do Menor Regional Ceará, financiado pela We World e pela União Europeia; o Projeto Tecendo Redes de Solidariedade, realizado em parceria com a Cáritas Regional Ceará, com apoio da Misereor; e Paulo Freire, com apoio do FIDA e da SDA. Ambos estão com atividades de campo suspensas, por conta da pandemia, sendo na maioria as e os beneficiárias/os destes as mesmas pessoas que foram atendidas com cestas básicas, sendo, portanto, essa ação emergencial parte de uma ação processual que visa a construção do Bem Viver, através do protagonismo de cada sujeita e cada sujeito envolvida/o.

“Foi fundamental para a realização dessa atividade a entrega incondicional de pessoas das secretarias de educação, de sindicatos, de associações e de voluntárias e voluntários nossos, num sinal de que nossas ações de fortalecimento de redes de solidariedade estão no caminho certo”, avalia irmã Francisca Erbenia Sousa, coordenadora da Cáritas Diocesana de Crateús. Segundo ela, o apoio do BB Seguros, do Banco BV e do Banco do Brasil, por meio da Fundação Banco do Brasil, é fundamental, e se encaixa perfeitamente com a política de defesa da vida defendida pela Igreja do Brasil e pela Rede Cáritas Brasileira. “Na situação que nos encontramos, essas cestas distribuídas pela Cáritas e pela Fundação Banco do Brasil vão ajudar muito as famílias, no alimento e pão de cada dia.”, agradece Valda Saraiva, do município de Crateús.

CÁRITAS DE CRATEÚS DISTRIBUI 1.250 CESTAS BÁSICAS A NOVE MUNICÍPIOS DA REGIÃO, COM APOIO DA FBB

Da esquerda para a direita, Marcones Moura, Marciel Melo, Moizeis Santos, José Loiola, Romério Cavalcante e Lucieudo Gonçalves, na Cruzeta, a caminho de Tauá e Parambu para distribuição de cestas básicas, no 1º de Maio.

No Dia das Trabalhadoras e dos Trabalhadores e durante todo este fim de semana, as e os agentes da Cáritas Diocesana de Crateús (CDC)estiveram nas ruas distribuindo alimentação e material de higiene para famílias que se encontram em condição de vulnerabilidade durante a pandemia de Covid-19. Este gesto de solidariedade só foi possível graças ao apoio do BB Seguros, do Banco BV e do Banco do Brasil, por meio da Fundação Banco do Brasil. Graças a este apoio, foram distribuídas 1.250 cestas básicas, para famílias dos municípios de Crateús (350), Tamboril (150), Nova Russas (100), Ipaporanga (50), Independência (50), Novo Oriente (150), Quiterianópolis (200), Tauá (150), e Parambu (50).

Da esquerda para a direita, as agricultoras Aldilene Oliveira, Antonia Cleonice e Josefa Pereira, recebendo cestas do agente Cáritas Romério Cavalcante, no bairro Colibris, município de Tauá.

A situação de vulnerabilidade social de milhares de famílias da região se agravou nas últimas semanas, não apenas por consequência do necessário isolamento social para conter a pandemia de Covid-19, mas também devido a enchentes que atingiram centenas de famílias em Quiterianópolis, Crateús, Tauá e Novo Oriente. “Agradecemos o apoio da Fundação Banco do Brasil e a todas as pessoas que estão fazendo gestos de solidariedade através da partilha de recursos financeiros, alimentos e material de limpeza, para que sigamos fazendo um grande mutirão para proteger a vida das pessoas mais vulneráveis”, pontua Adriano Leitão, agente Cáritas.

Da esquerda para a direita, os pescadores artesanais Francisco de Souza, Eronilson Gomes e José Edilson, de Nova Russas

FORÇA TAREFA

Neste período em que celebramos o Dia das Trabalhadoras e Trabalhadores, em que pescadora/es, agricultoras/es, pedreiras/os, uma ótima forma de honrar essa data foram os gestos concretos de fraternidade entre voluntárias/os e pessoas em condições de vulnerabilidade. Para uma entrega deste tamanho ser realizada em tão pouco tempo, foi necessário o despojamento das e dos agentes Cáritas que se dispuseram com amor e empenho a colaborar para esta ação, mesmo durante o feriado e o fim de semana, junto de agentes de pastoral das paróquias dos respectivos municípios beneficiados, além da valorosa contribuição de colônias de pescadoras/es, associações e voluntárias/os da CDC.

Da esquerda para a direita, as donas de casa Ana Lima, Andressa Melo, Antonia Martins, o agricultor Francisco Batista, as donas de casa Maria da Costa, Regina Mota e Ana Cruz, no bairro dos Venâncios, em Crateús.

Vale lembrar que, por conta dos riscos de contaminação durante a pandemia, a Cáritas Diocesana de Crateús e a Fundação Banco do Brasil se preocuparam em não formar filas, aglomerações entre as pessoas beneficiárias, bem como foi garantido Equipamento de Proteção Individual para todas as pessoas que atuaram na distribuição, entre fornecedores, agentes e colaboradoras/es voluntárias/os.

Da esquerda para a direita, o agente Cáritas Romerio Cavalcante, a pescadora Flaviana Cavalcante, e as agricultoras Maria do Carmo e Madalena Cavalcante, da comunidade São Cipriano, município de Parambu
Da esquerda para a direita, a pescadora Maria de Fátima Xavier, os pescadores José Messias, Francisco Oliveira, Antonio Vanderlei, a pescadora Vera Lúscia, o pescador José Roberto e a pescadora Maria do Carmo Carneiro, no Carnaubal, município de Crateús
Da esquerda para a direita, o agente Cáritas Maycon Silva e as pescadoras Jordânia Silva, Jacqueline Ferreira e Telma Feijó, na Colônia de Pescadores de Tauá.

Editado às 18:40.

RESAB REALIZA PLANEJAMENTO ANUAL

Na manhã de ontem, 04, a Rede de Educação do Semiárido Brasileiro (RESAB) da região dos Inhamuns e Crateús realizou planejamento anual, além de definir a equipe de secretaria executiva provisória, que vai animar os processos do coletivo até a assembleia, que está agendada para o dia 06/05. Participaram representantes de secretarias municipais de educação do território, da Faculdade de Educação (FAEC) da Universidade Estadual do Ceará – Campus Crateús, e da sociedade civil.

Cinco pessoas foram eleitas para compor a secretaria provisória da RESAB regional: Paulo Cesar de Oliveira, da Cáritas Diocesana de Crateús, Fábio Gomes Siridó, da Secretaria Municipal de Educação de Novo Oriente, Thais Cristine da FAEC, Mardones Servulo, do Instituto Bem Viver e Luzanira Martins de Sena, da Secretaria Municipal de Educação de Tamboril. Entre as tarefas da equipe estão preparar a assembleia, e ser a referência da rede para acompanhar os processos envolvendo Educação Contextualizada nos municípios.

“Também pensamos sobre o Seminário de Educação Contextualizada, que será realizado durante a programação da Feira [da Agricultura Familiar e Economia Popular Solidária] que será realizada no início de junho. Acredito que demos um passo muito importante para construir um caminho para uma educação libertadora, não só em nossa região, mas em sintonia com os 20 municípios que a equipe pedagógica da Cáritas acompanha, através do projeto Contexto”, explicou Paulo Cesar.

Delegação da União Europeia visita projeto de educação contextualizada em Novo Oriente e Fortaleza

Projeto Contexto receberá a Gestora Operacional da Seção de Cooperação da Delegação da U.E, Sra. Maria Cristina Araújo von Holstein-Rathlou

No período de 21 a 23 de Agosto, o Projeto Contexto passará por uma visita de monitoramento da União Europeia, seu cofinanciador. Serão três dias de programação, realizando sessões com beneficiários/as, gestores/as da proposta e organizações parceiras. A chegada da representante da Delegação significa uma oportunidade de perceber os avanços do projeto, seus desafios e observar os primeiros resultados e as boas práticas em curso.

Além do campo da educação, o Projeto Contexto atua ao mesmo tempo na pauta de enfrentamento da violência contra a mulher e, coincidentemente, a visita acontece no mesmo mês de aniversário da Lei Maria da Penha que completa 13 anos de implementação. “Durante a visita, estaremos com 4 turmas de docentes e a gestora da U.E verá como se opera a discussão sobre gênero, desigualdade entre as pessoas, violência sexista, atentando para a realidade tão adversa do semiárido, onde as relações estão sendo repensadas e isso é algo muito importante para a plataforma e para o próprio projeto”, ressalta Antonia Mendes, assessora técnica do Projeto Contexto pelo Instituto Maria da Penha [IMP].

A agenda da gestora, no Ceará, inclui no dia 21 a visitação à Escola Dr. Antonio Eufrasino Neto, no bairro Alto Alegre, em Novo Oriente; participação na abertura do encontro de formação “Sociedade do bem viver: “Desigualdade entre as pessoas e enfrentamento à violência contra a mulher”; reunião com poder público local – o Prefeito Vanaldo Carlos Moura; a Secretária de Educação, Simone Moura e com o grupo de onze vereadores/as da Câmara – além da roda de conversa com representantes dos Grupos de Trabalhos Municipais (GTM’s). Já em Fortaleza, no dia 22, ela participará de uma sessão com a Secretaria Estadual de Educação (SEDUC), Secretaria Executiva de Políticas para as Mulheres (SEPM-SPS), Ministério Público (MP/CE) e ViceGovernadoria do Estado do Ceará.

Projeto Contexto – Educação :: Gênero :: Emancipação

Executado por uma plataforma de sete organizações cearenses (Instituto Maria da Penha, Esplar, ACACE, Cáritas Diocesana de Crateús, EFA Dom Fragoso, Pastoral do Menor NE1 e We World Brasil), encontra-se em desenvolvimento em 22 municípios do Estado do Ceará e conta com o cofinanciamento da União Europeia.

Trata-se de uma ação que visa contribuir para o melhoramento e a qualificação do sistema educacional dos municípios como política pública, favorecendo um modelo de educação emancipatória, incluindo nos projetos políticos pedagógicos das escolas a abordagem das práticas restaurativas & mediação escolar, as relações de desigualdades de gênero, bem como, a educação contextualizada para convivência com o semiárido.

Esta ação teve início em maio de 2017 e se estenderá até 2021. Atualmente envolve 134 escolas, mais de 1500 professores/as, 30 grupos de mulheres e cerca de 20 mil estudantes, Conselhos Municipais de Direitos (da mulher, da educação, da assistência social e da criança e adolescente) e diversas organizações da sociedade civil articuladas em Grupos de Trabalhos Municipais (GTM’s).

Por : Aby Rodrigues, Assessoria de comunicação do Projeto Contexto

A educação contextualizada encontra o PPP: una oficina do projeto Contexto: educação, genêro, emancipação.

O mundo da educação implica transformação, evolução, formação, mas também desafio e resistência.

Imaginar tudo isso desconectado do contexto que nos circunda é impossível. Por isso formadores/as, professoras/es se reuniram na sede da Cáritas para começar uma série de encontros com o fim de discutir a introdução da educação contextualizada nos PPP(Projeto político pedagógico).

O que é um PPP?

Toda escola tem aspirações, metas e objetivos que querem alcançar. O conjunto desses elementos encontram realização nos projetos, planos detalhados do que se entende executar, políticos, que formam cidadãos conscientes, críticos e ativos e pedagógicos, que organizam atividades didáticas para o aprendizagem.

 

 

“A construção dos PPP tem que envolver alunos/as, os pais e mães, profissionais das escolas e não pode isolar o contexto, por isso hoje começa a primeira formação que vai durar o mês de maio todo, em 20 municípios, com o fim de estimular uma conversa sobre educação contextualizada e PPP” afirma Ana Cecília dos Reis, coordenadora do projeto Contexto: educação, gênero, emancipação, dentro o qual se realiza a oficina.

Participaram várias entidades e organizações, entre as quais: Cáritas,  Esplar, Secretarias municipais de educação de : Ipueiras, Crateús, Poranga, Tauá, Novo Oriente.

Todos e todas  para refletir sobre a construção de PPP mais sensível ao contexto e a um tipo de educação que inclui as comunidades a criar sentido e pertencimento. Educação para a transformação social.

“O dia de hoje foi proveitoso, porque fizemos um estudo para que os PPP refletem as identidades de cada escola, se adaptem para introduzir a educação contextualizada para desconstruir a didática e construí-la coletivamente com um cuidado especial para a cultura e as comunidades” assim falou Sidckleia Rodrigues, assessora da Secretaria da educação em Crateús.

O encontro se concluiu com uma avaliação final onde todas/os colocaram os seus sentimentos em relação ao estudo produzido.

Por: Lorenza Strano

Revisão: Viviane Brás