Cáritas de Crateús inicia comemoração de 10 anos durante Intercâmbio Nacional em Educação Contextualizada

A Cáritas Diocesana de Crateús (CDC) comemora 10 anos de fundação em 2015. O lançamento desse ano celebrativo foi realizado durante a cerimônia de abertura do Intercâmbio em Educação Contextualizada para Convivência com o Semiárido (ECCS), evento organizado pela Cáritas Brasileira (CB) em parceria com a CB Regional Ceará e a CDC para ser experienciado o acúmulo nesse modo de viver a educação em várias escolas públicas dos sertões dos Inhamúns-Crateús. O evento será vivenciado no período de 25 a 27/03. Durante a manhã desta quarta, além do momento orante dedicado à história da entidade anfitriã, com lançamento da logomarca comemorativa, oração e programação da celebração anual, também foi feita análise da conjuntura da educação no Brasil e no Semiárido facilitada pelo professor Elmo de Sousa Lima, doutor em educação e professor da Universidade Federal do Piauí.

A primeira parte da manhã, foi dedicada a cada comunidade acompanhada, com cada parceiro, cada parceira, cada voluntário e voluntária, cada retalho que compôs a história da Cáritas de Crateús. Se há um lugar de destaque no tecer da experiência da CDC nessa primeira década de existência é a costura da educação contextualizada. Atualmente ela acompanha “a experiência mais consolidada das Cáritas do Brasil na perspectiva de território”, segundo Luiz Claudio Mandela, membro da coordenação colegiada da Cáritas Brasileira. Por isso foi muito oportuno realizar o lançamento durante o intercâmbio, pois é uma maneira também de “prestar contas do que se acumulou durante a nossa caminhada, de compartilhar com nossas irmãs Cáritas dos regionais onde há trabalhos pela convivência com o Semiárido”, explicou Adriano Leitão, coordenador do projeto “Educação Contextualizada no Sertão do Ceará” realizado pela Cáritas de Crateús e patrocinado pela Petrobras, beneficiando mais de cinco mil educandas/os em cinco municípios da região.

“Quando a Cáritas chegou a nossa comunidade, ela conseguiu plantar uma semente e hoje temos lá árvores frutíferas. Vários grupos produtivos, uma organização que nos permite, mesmo nesses anos difíceis de seca, continuar produzindo”, testemunhou Giovane Carvalho, líder da comunidade Irapuá, em Nova Russas, uma das comunidades de referência no que tange o acompanhamento da CDC a comunidades rurais. Também foi partilhada a experiência exitosa das mesas de negociação, das escolas de cidadania, do voluntariado e do trabalho com mulheres. Ou seja, dos vários tecidos que compõem o retalho construído a várias mãos nesses 10 anos. “Iremos realizar um ano de escuta, onde tentaremos colher de várias pessoas, seja de grupos acompanhados ou de organizações parceiras opiniões sobre quem e como somos. Nosso objetivo é construir uma perspectiva do que seremos nos próximos 10 anos”, resumiu Adriano. Participaram desse momento orante, além das/os participantes do intercâmbio, representantes de várias entidades parceiras e de grupos acompanhados da Cáritas de Crateús.

 

A história da Cáritas de Crateús sendo contada no momento orante

 INÍCIO DO INTERCÂMBIO

Após a benção de Dom Ailton Menegussi, bispo da Diocese de Crateús, deu-se início às discussões temáticas do intercâmbio. Mandela fez uma retrospectiva do acúmulo da Cáritas Brasileira no que diz respeito à convivência com o Semiárido, e ajudou às/aos participantes a compreender qual lugar estratégico a Educação Contextualizada para Convivência com o Semiárido (ECCS) ocupa dentro dessa política. “Durante o congresso [da CB] em 1999, nós aprofundamos uma conversa iniciada ainda nas campanhas pra enfrentar as consequências do [fenômeno natural] El Niño. Depois disso criamos da Política de Convivência com o Semiárido e de lá pra cá vimos acumulando diversas experiências em várias Cáritas e entidades membro nessa área. Consolidar a experiência da ECCS é um dos nossos desafios estratégicos, por isso estamos aqui”, argumentou.

Em seguida foi realizada a análise de conjuntura sobre a educação no Brasil, facilitada pelo professor Elmo. Já no período vespertino é vivenciada uma reflexão sobre “Desafios e Estratégias da Educação Contextualizada”, facilitada por Edineusa Sousa, educadora do Instituto da Pequena Agropecuária Apropriada (IRPAA), organização referência para o Brasil em relação a esse assunto, e grande incentivadora e formadora na fase seminal da experiência dos Inhamúns-Crateús. Na conclusão do primeiro dia será apresentado vídeo de sistematização da experiência da CDC em ECCS. Durante os dias de quinta e sexta-feira, participantes conhecerão escolas onde essa ação é vivida na prática, seguida de partilha.

Por Eraldo Paulino, comunicador popular da Cáritas Diocesana de Crateús.

{gallery}IntercambioA{/gallery}

Segurança alimentar é tema da Educação Contextualizada em Nova Russas e Tamboril


No mês de fevereiro foram realizadas três formações para professores e professoras das redes municipais de Nova Russas e Tamboril com a temática Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. Foram beneficiadas/os educadoras/es dos polos Boa Esperança e Sucesso, em Tamboril e de todas as nove escolas acompanhadas em Nova Russas. Os estudos foram facilitados por Lucieudo Cavalcante, técnico agrícola e graduando em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Semiárido (UFERSA). A ação é parte integrante do projeto Educação Contextualizada no Sertão do Ceará, patrocinado pela Petrobras e do projeto Cisterna nas Escolas, financiado pelo Ministério de Desenvolvimento Social (MDS), desenvolvido pela Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA). Ambos os projetos são executados pela Cáritas Diocesana de Crateús.

O objetivo era fornecer subsídios e elementos para aguçar nas/os educadoras/es beneficiadas/os a vontade de pesquisarem e se aprofundarem mais nessa temática, que servirá de tema gerador para a contextualização dos conteúdos das diversas disciplinas a serem trabalhadas em salas de aula. Ao final do bimestre, uma culminância será organizada em cada escola para expor não só aos familiares, mas para toda a comunidade o que as/os estudantes produziram à partir dos conhecimentos adquiridos não apenas em sala, mas também nas aulas de campo. Segundo a professora Luiza Nery, que exerce o ofício na comunidade Nova Betânia, essa metodologia de ensino provoca ainda mais toda comunidade escolar a se aprofundar sobre a realidade na qual está inserida. “Nós somos convidadas a ter consciência e fazer uso dela na prática”, pontuou.

Para o facilitador da formação, Lucieudo Cavalcante, é de fundamental importância discutir com a comunidade escolar a respeito de segurança alimentar, um assunto ainda mal aprofundado pelo grande público. “Para se ter uma ideia, só em 2010 foi inserida uma emenda à nossa Constituição com a garantia de alimentação à população brasileira”, argumentou, se referindo ao artigo 6º da Constituição Federal. Ele também recomenda a todas e todos apropriação da Lei Federal 11.346 (Clique no link e tenha acesso ao conteúdo da Lei), que cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. “Também é importante conhecer o site do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA), órgão público que rege programas sociais dedicados a assegurar esse direito, no campo e na cidade.

 {gallery}form-02-14{/gallery}

Livro sobre Educação Contextualizada deve sair em agosto

Com a missão de sistematizar o projeto “Educação Contextualizada no Sertão do Ceará”, patrocinado pela Petrobras e realizado pela Cáritas Diocesana de Crateús, Gigi Castro, colaboradora deste site, reuniu-se com agentes Cáritas e representantes das secretarias municipais de educação dos municípios beneficiados para realizar a terceira etapa de oficina de sistematização para coletar informações e impressões com intuito de produzir um livro contendo a sistematização dessa experiência, a ser lançado em agosto desse ano.

“Na primeira vez eu escrevi sozinha, mas agora eu percebo ainda mais gente qualificada que pode e deve contribuir, por isso quero que vocês produzam [textos sobre a proposta] também”, orientou Gigi. Ela se referiu à primeira edição do livro “RETALHOS da experiência de Educação Contextualizada no município de Tamboril”, publicado em 2010, contando a experiência exitosa dessa maneira de viver educação nas escolas públicas do município ao qual faz menção. 

Gigi propõe jogos e brincadeiras para dinamizar oficinas

O livro será um material importante, não apenas como registro histórico, mas também como instrumento paradidático. Será a sistematização de muitos desafios, mas também inúmeras conquistas de um modelo de ensino público contextualizado, impregnado de sentido e verdadeiramente transformador, protagonizado essencialmente por educadoras, educadores, educandas e educandos não apenas das cidades de Tamboril, Nova Russas, Independência, Quiterianópolis e Ipaporanga, mas do Semiárido Brasileiro. 

Momento de compartilhar massagens, relaxamento importante antes de compartilhar conhecimentos

 

Resab de Crateús realiza último encontro de 2014

Representantes de sindicatos de servidores/as públicos, trabalhadores/as rurais, de secretarias municipais de educação, educadoras/es militantes e agentes Cáritas que compõem o núcleo de Crateús da Rede de Educação do Semiárido Brasileiro (Resab) realizaram na manhã de hoje (03/12) a última reunião ordinária de 2014. O encontro foi marcado pela avaliação do ano que passou, apontamento de perspectivas para 2015 e confraternização entre as/os participantes.

No ano de 2014 foram apontados como avanços o envolvimento e a formação de educadoras e educadores nos cinco municípios onde o projeto “Educação Contextualizada no Sertão do Ceará” é realizado pela Cáritas Diocesana de Crateús, com patrocínio da Petrobras: Ipaporanga, Independência, Nova Russas, Tamboril e Quiterianópolis. “Também vimos como positivo o envolvimento da Resab na resistência aos grandes projetos na região, especialmente a iminente instalação de uma mineradora em Ipaporanga”, informou Erdimária Macedo, assessora pedagógica da Cáritas.

O projeto também favoreceu intercâmbios, e o avanço no debate para que a proposta se torne política pública, com a aprovação de projetos de lei que a educação contextualizada e a educação no campo em Nova Russas e Tamboril. Como desafios para 2015, foi discutido principalmente formas de fazerem retornar à ciranda da Resab entidades que antes participavam regularmente, como o MST, a Fetraece e outros sindicatos de trabalhadores/as rurais, para além do de Nova Russas, que vem participando efetivamente.

Agentes Cáritas acompanham culminâncias em Independência

Na última quarta-feira (26/11) foram realizadas culminâncias das temáticas “Semiárido” e “Contação de Histórias” nas escolas das comunidades Mundo Novo, Juazeiro e Palestina, no município de Independência. Esteve presente no evento com ampla participação da comunidade a assessoria pedagógica do projeto “Educação Contextualizada no Sertão do Ceará”, que é realizado pela Cáritas Diocesana de Crateús e patrocinado pela Petrobras.

“Nessa segunda culminância realizada em 2014 a gente percebeu nitidamente a evolução de educandas, educandos e educadoras/es nesse processo. Percebemos claramente que o conteúdo foi muito bem desenvolvido e absolvido, e assim toda comunidade pode presenciar belas apresentações, com resgate da cultura e da história da comunidade, contação de histórias, poesias, teatro, comidas típicas, dança, etc.”, explicou Mirna Sousa, assessora pedagógica do projeto.

Mães e pais de estudantes ficaram impressionados principalmente com a reflexão através de dramatizações e outras ferramentas lúdicas a respeito da migração. Muitas e muitos lembraram de como no passado era muito mais forte a necessidade de ir embora, muitas vezes para se frustrarem em outras regiões, e hoje há mais possibilidades de desenvolvimento no campo com as tecnologias de convivência com o Semiárido, fazendo com que o Sertão seja cada vez mais um lugar bom de se viver.